Passageiro Frequente: Tomás Amaral

Nome: Tomás Amaral
Ocupação: Estudante e ginasta na modalidade de aeróbica
Naturalidade:
São José, Ponta Delgada, ilha de São Miguel
Idade:
13 anos

Tudo começou com a visualização de vídeos de aeróbica na Internet. Despertado o interesse, o passo seguinte foi experimentar Ginástica Aeróbica no Clube de Atividades Gímnicas de Ponta Delgada. Tomás Amaral tinha 8 anos e estava longe de imaginar que 5 anos depois seria o primeiro português a conquistar a Medalha de Ouro no Campeonato do Mundo por Idades desta modalidade, que ocorreu em maio de 2018 na cidade de Guimarães.

O nosso “passageiro frequente” é um jovem açoriano que, aos 12 anos, alcançou resultados históricos na Ginástica Aeróbica em Portugal, obtendo a pontuação mais alta de sempre no escalão Juvenil, na categoria de Individual Masculino.

Atualmente, o jovem atleta faz dezenas de viagens por ano para participar em competições e estágios, tendo obtido várias vezes o 1º lugar em competições nacionais e internacionais, resultado da sua dedicação diária aliada a um treino intenso e ao seu talento e capacidade de superação.

O jovem ginasta não se foca na obtenção de prémios na sua prática, mantendo antes o objetivo de se superar a si próprio e continuar a divertir-se. Nas competições, destaca-se não só a qualidade técnica da sua performance, mas também a felicidade que o seu sorriso genuíno deixa transparecer. Assim se faz um campeão!



Com 13 anos já representaste Portugal, com distinção, muitas vezes. Qual é a sensação de conseguir uma medalha de ouro para o teu país?
É uma sensação fantástica e um grande orgulho! A medalha de ouro e todos os prémios que já conquistei até agora têm muito significado para mim, pois são fruto do meu trabalho e dedicação e envolveram muito esforço. São muitas horas de treino diário – cerca de 4 horas por dia, 6 dias por semana – que são compensadas com os resultados obtidos.

Dedicas muito tempo aos treinos de Ginástica Aeróbica e ainda assim és um bom aluno. Qual é o teu segredo para conciliar a tua atividade desportiva com os estudos?
Tenho que fazer uma gestão de tempo muito precisa para conseguir estudar sempre que não estou a treinar. Muitas vezes tenho que abdicar de estar com os meus amigos para poder ter bons resultados na escola e ao mesmo tempo praticar ginástica.

A tua atividade desportiva já te permitiu viajar muito. De que destino gostaste mais?
Apesar de não ter muito tempo para conhecer os sítios para onde viajo, uma vez que estamos sempre a treinar, o destino de que gostei mais foi Itália. Fomos para um estágio onde conhecemos ginastas de outras nacionalidades, o que é sempre muito enriquecedor e divertido. Também já fui a muitos sítios de Portugal Continental, Bulgária e França.

Do que sentes mais falta quando não estás nos Açores?
Sinto falta principalmente da minha família e amigos e também do ar fresco e puro dos Açores.

Que memórias tens da tua primeira viagem?
A minha primeira viagem para o estrangeiro foi com a Sara Silva, que é uma Ginasta Sénior, e com a minha Treinadora Alexandra Barroso. Foi nessa viagem que tive noção de que queria praticar ginástica a um nível mais sério. Tinha na altura 9 anos. Nessa viagem competi com atletas búlgaros e russos e fiquei em 2º lugar.

Das viagens que fizeste, qual foi a mais especial?
A mais especial foi no ano passado, em maio de 2018, para a cidade de Guimarães onde me consagrei Campeão do Mundo em Individual Masculino. Eu e a Leonor Januário também subimos ao pódio, tendo alcançado a Medalha de Bronze – 3º lugar – neste Campeonato do Mundo por Idades. Foi muito especial porque senti o apoio de todo o nosso país e também dos outros países que estavam representados nesta competição.

Qual a tua viagem de sonho?
Gostava de ir a Nova Iorque e à Flórida, nos Estados Unidos, um país que considero muito desenvolvido e com muitas diversões e tecnologias.
Também gostava de visitar São Tomé e Príncipe porque tem paisagens muito bonitas e águas limpas e cristalinas.

Quais os teus objetivos para o futuro no que diz respeito à Aeróbica?
Quero continuar a dar sempre o meu melhor, com esforço e empenho e, acima de tudo, divertir-me ao máximo nas provas.
Na próxima época, em maio de 2020, irá decorrer o Campeonato do Mundo onde já vou ser Júnior. Vou ter que treinar bastante para ser apurado para essa competição onde só podem competir os dois melhores atletas de cada país e onde, quase de certeza, vão estar presentes o Campeão do Mundo Júnior de 2018 e o Bicampeão Europeu Júnior de 2017 e 2019.