15 de junho de 1947: O primeiro voo comercial da SATA

Celebra-se, neste mês de junho, o 72º aniversário da inauguração oficial da atividade operacional e comercial da SATA, assinalada pela realização do seu primeiro voo comercial, a 15 de junho de 1947, entre as ilhas de São Miguel e Santa Maria, numa aeronave Beechcraft UC-45B Expeditor, pilotado pelo Comandante Marciano Bonucci Veiga, capitão-aviador, primeiro piloto e diretor técnico da Companhia.

O avião chegou a São Miguel a 21 de maio de 1947, a bordo do navio Lima, acompanhado pela respetiva tripulação técnica navegante e de manutenção, tendo sido desembarcado no porto de Ponta Delgada, encaixotado e transportado para o Aeródromo de Santana, em Rabo de Peixe. Apresentava o número de série 43-35596, construído em 1943, a matrícula CS-TAA e o certificado de matrícula n.º 107, datado de 13 de maio de 1947, tratando-se de um aparelho bimotor ligeiro, de asa baixa, apto para o transporte comercial de 6 a 7 passageiros.

A cerimónia de inauguração oficial teve lugar no campo de aviação de Santana, pelas 16h00 do dia 15 de junho, tendo a placa de estacionamento de aviões do Aeródromo de Santana sido sobejamente decorada para a ocasião, contando com a presença de mais de trezentos convidados, entre os quais governantes, autarcas, autoridades civis e militares, os representantes das companhias aéreas internacionais de navegação aérea com escritório nos Açores e os representantes de órgãos de informação nacionais e locais.

O reverendo Pe. José Gomes oficiou a benção do Beechcraft, batizado de Açor, e foi sua madrinha a menina Ana Isabel, neta do Dr. Augusto Arruda, então gerente-delegado da Companhia e um dos seus fundadores.

O transporte aéreo no arquipélago tornava-se, assim, uma realidade: as ilhas de São Miguel e Santa Maria passavam a encontrar-se a 30 minutos de voo de distância, em alternativa às (até então incontornáveis) seis horas de transporte marítimo que separavam Ponta Delgada de Vila do Porto. Com o início das ligações comerciais entre os únicos aeroportos então existentes no arquipélago (nas ilhas de Santa Maria, São Miguel e Terceira), estava dado o passo fundamental e decisivo para transformar a SATA num instrumento de mudança ao serviço dos Açores.

 

Texto: Jorge Câmara

Fotos: Alexandre Sousa, família do Comte. Marciano Veiga e Arquivo SATA